Slavoj Zizek em edição brasileira

01.07.2012

Blog O escritor japim
Ramon Barbosa Franco


Para quem necessita entender melhor toda esta pós-modernidade e quer alicerçar suas ideias para saber o que fazer no dia seguinte, nada melhor do que o filósofo e psicanalista Slavoj Zizek. Sua dinâmica em contextualizar o que acontece em nossa volta pode ser conferida de modo claro e cativante em 'Em defesa das causas perdidas', que a Boitempo Editorial lançou no ano passado. Agora em 2012 chega, também pela Boitempo Editorial mais uma versão em português do esloveno, 'Vivendo no fim dos tempos', com um murro na boca de todo mundo logo na capa: são os quatro cavaleiros do Apocalipse de João Evangelista.

Na semana passada desci três andares num elevador na companhia do senador Eduardo Suplicy e do pensador inglês Guy Standing, aqui em Marília (SP). Guy apenas olhou para a nossa conversa. No trajeto contei ao senador que igual à floresta de Sherwood, na Inglaterra, aqui no Interior de São Paulo também tínhamos o nosso Robin Hood. Não usava a boininha verde, como a que o senador usou para defender o imposto sobre movimentações financeiras para erradicação da pobreza no mundo, mas tinha um passo tão macia e cauteloso que ganhou o apelido de 'Pé-de-Veludo'. Ele entrava nas casas dos ricos e, dizem, distribuía o botim para os pobres. A lenda de 'Pé-de-Veludo' é uma das mais fortes e a população o escolheu como um santo popular. Conheço pessoas que afirmam ter graças alcançadas por intermédio dele. Mesmo em outro plano, 'Pé-de-Veludo' permanece no imaginário do mariliense.

Do mesmo modo, permanece no gosto de nossas esperanças um mundo menos especulativo, mais horizontalizado em se tratando de comida e saúde. Me pego na linha com Slavoj no exato período em que um grupo de teatro daqui de Marília adapta para cena teatral 'Contos do Japim', livro que teve a tutela do meu amigo Romulo Netto e que foi publicado pela Carlini & Canitado, de Cuiabá, em 2010. A montagem ganhou o título 'Será o fim?'. Zizek, em 'Vivendo no fim dos tempos' nos pergunta: se o fim do capitalismo parece para muitos o fim do mundo, como é possível para a sociedade ocidental enfrentar o fim dos tempos? Pergunta.

O exercício da minha profissão é pautado em perguntas. O esloveno traduziu como quatro cavaleiros do apocalipse a crise ecológica, as consequências da revolução biogenética, os desequilíbrios do próprio sistema e o crescimento explosivo de divisões e exclusões sociais. Acho que caberá a todos encontrar as respostas. Sugiro um mundo onde morram as esperanças por novos Robin Hood ou novos 'Pé-de-Veludo'.