FH recomenda livro a Dirceu

06.01.2014

O Globo | Coluna do Ancelmo
Márcia Vieira

O livro mais cultuado neste final de ano no Brasil é O homem que amava os cachorros, de Leonardo Padura (foto), escritor cubano que nunca deixou o país, nem fez loas ao governo de Fidel Castro. Em entrevista ao “Manhattan Connection”, no domingo, Fernando Henrique sugeriu sua leitura aos condenados do mensalão presos na Papuda.

O livro, lançado aqui pela Editora Boitempo, é curioso. Tem 600 páginas e consegue prender a atenção até o final, apesar de contar uma história que todo mundo sabe como acaba. Padura entrelaça as histórias do revolucionário bolchevique Leon Trotsky (1879-1940) e de seu assassino, Ramón Mercader (1913-1978), que terminou seus dias em Cuba. E faz isso escrevendo um ótimo romance policial, sua especialidade, e, ao mesmo tempo, dissecando a revolução soviética e a cubana. Numa entrevista ao americano Jon Lee Anderson, publicada na “Piauí” de dezembro, Padura define sua posição política: “Não tenho militância, nem no Partido e nem na dissidência. Eu investigo Cuba a tal ponto que posso dizer o que Cuba é.”