O homem dos cachorros

01.02.2014

O Liberal
Elio Gaspari

Um grande livro está chegando à praça: O homem que amava os cachorros, do cubano Leonardo Padura, uma brilhante trama policial e politica, ou política e policial. Comeca em 1929, quando o ex-dirigente soviético Leon Trotski é desterrado e acaba em 2004, no funeral de Ana, a mulher do narrador. No caminho, conta a história de um homem que amava cachorros e não falava de si. Era Ramón Mcrcader, o homem que em 1940 matara Trotski no México, com um golpe de picareta. Ralou vinte anos na cadeia e nem o nome dlsse. Solto, viveu na Rússia com a medalha de "Herói da União Soviética" e em Cuba.

Dito assim, o livro é apenas mais um sanduíche de História com ficção, genero que dá certo poucas vezes a cada cem anos, mas quando dá, sal de baixo. Sua virtude está na qualidade da escrita, no rigor factual em relação ao que realmente importa e, sobretudo, na imersão na alma de personagens que viveram os crimes e ilusões do comunismo.

Seu retrato do cotidiano do narrador no regime cubano de hoje (no qual vive Padura), rememorando o que foi o soviético do século passado é um verdadeiro primor. Tudo Isso, e mais um romance policial.