O homem que amava os cachorros

14.12.2014

Pauta Livre News
da Redação

Definir este romance como não ficção e ficção soaria estranho para a maioria dos leitores, mas é exatamente o que ele é.  Leonardo Padura, premiado escritor cubano, reescreve nesta obra de 592 páginas as trajetórias de Leon Trotsky, líder revolucionário russo expulso do Partido Comunista e perseguido pelos seus compatriotas; e a do seu assassino, o espanhol Ramón Mercader, que receberá as ordens de Moscou para livrar-se do “traidor da revolução”.

Para entrelaçar essas duas jornadas, Padura nos apresenta uma espécie de alter ego chamado Ivan, escritor nascido em Cuba que em sua juventude conhecera um enigmático sujeito que sempre passeava acompanhado de seus belos cães. O homem que amava os cachorros, como este decide chama-lo, lhe revelará detalhes sobre a vida de Ramón Mercader e da sua missão de executar Liev Davidovitch Bronstein (Trostky) a mando do próprio Joseph Stálin.

Padura consegue unir uma profunda pesquisa histórica com um talento ficcional surpreendente ao recriar a fuga de Trostky da União Soviética, assim como todo o treinamento árduo que Ramón recebe e os seus preparativos para por em ação o grande ato, com uma grande carga de ansiedade pelo ato final. A leitura nos faz passear por grande parte do século XX, vivenciando com todos os seus sucessos e horrores os grandes fenômenos libertários da Revolução Russa, da Guerra Civil Espanhola e da Revolução Cubana.