Margem Esquerda n.13

François Chesnais,György Lukács,Immanuel Wallerstein,José Luís Fiori,Julio Cortázar,Marilena Chaui eRobert Brenner, entre outros

Revista Margem Esquerda

R$ 30,00

A transformação da crise dos mercados imobiliário e financeiro dos Estados Unidos em uma crise econômica global levou à desmoralização o discurso liberal em todo o mundo. Para avaliar seus impactos e alternativas, Margem Esquerda n.13 traz o dossiê “Hegemonia em tempos de crise”, composto por alguns dos mais importantes analistas desse fenômeno: o francês François Chesnais, o norte-americano Robert Brenner, o brasileiro José Luís Fiori e o inglês Peter Gowan. Chesnais, formulador da tese da financeirização do capitalismo, destaca a longevidade da recessão e as duras consequências para os trabalhadores. Mas lembra que a situação atual apresenta oportunidade ímpar para a construção de alternativas.

A capacidade de recomposição conservadora da hegemonia norte-americana é analisada por Fiori, que discute ainda a ampliação das alianças lideradas por Washington, na busca de um novo consenso que permita reformular suas condições de dominação. Coerente com sua tese sobre o capitalismo, Brenner diz que vivemos uma etapa da declinante perda de vitalidade das economias centrais. Fórmulas fictícias e momentâneas de fomentar o crédito ao consumo finalmente explodiram, produzindo um desequilíbrio de proporções incalculáveis e de longa duração. Gowan, por sua vez, discute o projeto de um modelo público que se choca com a hegemonia financeira construída nos anos 1970.

Abrindo esta edição está a filósofa brasileira Marilena Chaui, entrevistada por Francisco de Oliveira, Rodrigo Nobile, Olgária Matos e Wolfgang Leo Maar. Na pauta, sua formação, suas leituras, a universidade, o Partido dos Trabalhadores. Da seção Artigos fazem parte: Immanuel Wallerstein – “O duradouro legado da revolução mundial de 1968”, texto polêmico no qual diz que 1968, apesar da derrota, foi o evento mais importante do século XX; Marcello Musto – “A redescoberta de Karl Marx”, sobre as obras completas de Marx-Engels (Mega-2) –; Marcelo Carcanholo e Grasiela Baruco – “As aventuras de Karl Marx contra a pulverização pós-moderna das resistências ao capital”, no qual procuram recolocar a crítica social em um plano marxista totalizante; e Edilson Graciolli e Marcílio Lucas – “‘Terceiro setor’ e ressignificação da sociedade civil”, uma anotação crítica sobre conceitos que ganham corpo no ideário contemporâneo.

O clássico da vez é inédito, redigido pelo filósofo húngaro György Lukács, em janeiro de 1967. Trata-se de um posfácio à nova edição de Lenin: sobre a unidade de seu pensamento – escrito logo após a morte do líder bolchevique em 1924. De outro livro e outro importante pensador trata o comentário deste número – assinado por Marcos Del Roio e Geraldo Magella Neres – sobre Antonio Gramsci in contrappunto: dialoghi col presente, volume de Giorgio Baratta que propõe um acerto de contas com a forma de ler e discutir a obra de Gramsci.

Já o poema “Policrítica na hora dos chacais”, de Julio Cortázar, faz uma defesa apaixonada de Cuba. Foi a forma que encontramos para homenagear simultaneamente o cinquentenário da Revolução e um dos maiores escritores de todos os tempos. Nas palavras de Flávio Aguiar: "Nascido em Bruxelas, aos quatro anos Cortázar mudou-se para a Argentina, onde se formou em Letras e tornou-se professor. Em 1951, por discordar do governo peronista, mudou-se para Paris, onde morou até morrer. Publicou livros de renome mundial. Foi criticado por morar na França – por aqueles que julgavam ter ele perdido sua identidade latino-americana, porém manteve sempre um compromisso aberto, arejado e não isento de crítica com o que de melhor havia na América Latina. Apoiou a Revolução Cubana, o governo de Allende e os Sandinistas. Mais conhecido como romancista e contista, Cortázar foi também tradutor, poeta e ensaísta. O texto que Margem Esquerda apresenta, em prosa poética, foi publicado em Cuba no auge da campanha contra o governo revolucionário dessa `vanguarda admirável da América`. Certa vez, em referência à Revolução Mexicana de 1910, Alfonso Reyes afirmou que todo o intelectual latino-americano tinha duas pátrias: a sua e o México. Desde 1959, tem três, o que inclui Cuba".

"O teatro brasileiro perdeu, neste semestre de 2009, dois grandes nomes: Augusto Boal e Reinaldo Maia. Boal, ex-integrante do Teatro de Arena, criador do Teatro do Oprimido e autor de livros traduzidos para mais de vinte idiomas, morreu de leucemia no dia 2 de maio. Maia, dramaturgo, diretor e ator teatral, um dos criadores do grupo Folias d’Arte, foi vítima de um enfarte fulminante na manhã do dia 17 de abril. A esses dois resistentes, que não se dobraram ao “mercado”, dignificaram e entenderam o teatro como meio de emancipação política e de intervenção social, dedicamos esta edição". – Ivana Jinkings

Sumário

Apresentação
Ivana Jinkings

Entrevista
Marilena Chaui
Por Francisco De Oliveira, Rodrigo Nobile, Olgaria Matos e Wolfgang Leo Maar

Dossiê: Hegemonia em tempos de crise
Um momento histórico crítico
François Chesnais

A esquerda e a crise
José Luís Fiori

A crise que se aprofunda
Robert Brenner

Crises na capital
Peter Gowan

Artigos
A redescoberta de Marx
Marcello Musto

As aventuras de Karl Marx contra a pulverização pós-moderna das resistências ao capital
Marcelo Dias Carcanholo e Grasiela Cristina da Cunha Baruco

O duradouro legado da revolução mundial de 1968
Immanuel Wallerstein

“Terceiro setor” e ressignificação da sociedade civil
Edilson José Graciolli e Marcílio Rodrigues Lucas

Clássico
Posfácio a Lenin
Georg Lukács

Comentário
Como e por que ler Gramsci hoje
Geraldo Magella Neres e Marcos Del Roio

Resenhas
O marxismo de Caio Prado Jr.
Marisa M. Deaecto

Em defesa da totalidade: o humanismo marxista de Lucien Goldmann
Fábio Mascaro Querido

Notas de leitura
Leandro Konder: memórias de um intelectual comunista
Rodrigo Castelo Branco

As duas faces do gueto
Afranio Mendes Catani

Poesia
Policrítica na hora dos chacais
Julio Cortázar

Ilustrações
Rogério Ferrari