A visão em paralaxe

Slavoj Žižek

Coleção Dia do Filósofo Coleção Dia do Pscicólogo

R$ 86,00

Paralaxe – 1. deslocamento aparente de um objeto quando se muda o ponto de observação (Houaiss)

A visão em Paralaxe é o mais rico trabalho teórico do filósofo esloveno Slavoj Žižek, classificado pelo próprio autor como sua obra-prima. A partir da noção de paralaxe – um efeito de aparente deslocamento do objeto observado devido à modificação na posição do observador –, Žižek desenvolve três campos de reflexão que se articulam.

Na filosofia, Žižek faz um apanhado teórico de seus livros anteriores, relacionando conceitos de Lacan, Hegel e Marx. No campo da ciência, o esloveno enfatiza questões levantadas pela neurologia e as ciências cognitivas, além de aprofundar suas reflexões sobre a estrutura do sujeito a partir de seus estudos de psicanálise. E em relação à política, Žižek desenvolve a ideia de que o reconhecimento de antagonismos na ordem social constitui tarefa maior de nossos tempos.

Um dos objetivos do livro é empreender uma reabilitação do materialismo dialético. Žižek entende a crise do marxismo não só como resultado das derrotas sociopolíticas sofridas por seus movimentos, mas também pelo declínio do materialismo dialético como base filosófica. Nesse sentido, sua obra oferece um quadro amplo dos debates acadêmicos sobre os rumos de uma nova esquerda, dialogando com autores como Giorgio Agamben, Toni Negri, Michael Hardt, Ernesto Laclau, e não se furtando a abordar questões complexas como o antissemitismo e o fundamentalismo.

Análises filosóficas são entremeadas por leituras detalhadas sobre literatura, cinema e música, não deixando de lado o talento de Žižek para a crítica da cultura. Produtos da cultura pop como Guerra nas estrelas, o filme infantil Procurando Nemo, entre outros, são observados por ângulos diversos e relacionados aos mais complexos fenômenos de maneira, no mínimo, original.

A visão em paralaxe, terceiro livro de Slavoj Žižek publicado pela Boitempo Editorial, não só expande a aproximação Lacaniana-Hegeliana do filósofo para novos domínios, como também provê a sistemática exposição da estrutura conceitual que sustenta seu trabalho. Orelha de Christian Dunker.

Trechos da obra

“A aposta deste livro é que, longe de constituir um obstáculo irredutível para a dialética, a noção de lacuna paraláctica é a chave que nos permite discernir seu núcleo subversivo. Teorizar adequadamente essa lacuna paraláctica é o primeiro passo necessário para a reabilitação da filosofia do materialismodialético. Aqui enfrentamos um paradoxo básico: enquanto muitas ciências de hoje praticam espontaneamente a dialética materialista, em termos filosóficos elas oscilam entre o materialismo mecânico e o obscurantismo idealista.”

“É essa lacuna paraláctica que também explica as duas dimensões irredutíveis da modernidade: a “política” é a lógica da dominação, do controle regulador (“biopolítica”, “mundo administrado”); a “econômica” é a lógica da integração incessante do excedente, da “desterritorialização” constante. A resistência à dominação política refere-se ao elemento “supranumerário”, que não pode ser explicado nos termos da ordem política; mas como formular a resistência à lógica econômica da reprodução-pelo-excesso? (Não podemos esquecer que esse excesso é estritamente correlato ao próprio excesso de poder além de sua função representativa “oficial”.) O sonho da esquerda durante todo o século XX era: por meio da subordinação do econômico ao político (o controle estatal do processo de produção). Em suas obras mais recentes, Hardt e Negri parecem sucumbir à tentação oposta, transferindo o foco para a luta econômica em que se pode confiar no Estado.”

“Há um belo detalhe hitchcockiano em Procurando Nemo: quando a filha monstruosa do dentista entra no consultório do pai, onde está o aquário, a música de fundo é a da cena do assassinato em Psicose. O vínculo é mais refinado do que a ideia de que a garota é o flagelo dos pequenos animais indefesos: no fim da cena, Nemo escapa quando é jogado pelo ralo da pia – essa é a sua passagem do mundo dos seres humanos para o seu próprio mundo-vida (ele acaba no mar, perto do consultório do dentista, e reencontra o pai), e todos sabemos da importância da cena do buraco por onde escorre a água em Psicose (a fusão da imagem da água escoando pelo ralo com o olho morto de Marion etc.). O ralo da pia, portanto, serve de passagem secreta entre dois universos totalmente disparatados, o dos homens e o dos peixes – esse é o verdadeiro multiculturalismo, o reconhecimento de que a única maneira de passar para o mundo do Outro é através do que, em nosso mundo, parece ser a saída da merda, o buraco que leva a um território obscuro, excluído da realidade cotidiana, onde o excremento desaparece. A disparidade radical dos dois mundos pode ser notada numa série de detalhes, por exemplo: quando o pai-dentista pega o pequeno Nemo com a rede e acha que o salvou de uma morte certa, sem perceber que aquilo que apavorou Nemo a ponto de quase matá-lo foi a sua presença... Entretanto, o que está em jogo na ideia de Verdade é que esse vínculo inominável e obsceno, esse canal secreto entre mundos não basta: há uma Verdade “universal” genuína que atravessa a miríade de mundos.”