No limiar do silêncio e da letra

traços da autoria em Clarice Lispector

Maria Lucia Homem

Coleção Dia da mulher é dia da luta feminista! PROMOÇÃO Coleção Dia do Pscicólogo

R$ 42,00

“Mas já que se há de escrever,
que ao menos não se esmaguem
com palavras as entrelinhas.”
- Clarice Lispector

Em No limiar do silêncio e da letra: traços da autoria em Clarice Lispector, Maria Lucia Homem lança luz sobre a construção e crise da subjetividade contemporânea ao mediar o encontro inusitado entre a maior escritora brasileira, Clarice Lispector, e um dos pilares da psicanálise moderna, Jacques Lacan.

Como a psicanálise pode contribuir para a renovação da leitura crítica das obras de Clarice Lispector? Nas primeiras décadas do século XXI, o que ainda temos a escutar de Clarice? A psicanalista, pesquisadora da USP e professora da FAAP responde à questão de forma original ao abordar, em seu primeiro livro, o embate entre palavra, silêncio e autoria, verdadeiro tripé esfíngico na escrita clariceana.

O lançamento do livro pela Boitempo Editorial, em coedição com a Edusp, coincide com os 35 anos de morte de Clarice Lispector e cumpre o difícil desafio de dizer algo novo sobre sua produção literária que, com as vanguardas de seu tempo, questionou tanto os cânones quanto os estilos e formatos de criação literária. “Maria Lucia enfrenta a tensão entre a psicanálise, que busca escutar o inaudível, e a literatura, que tenta expressar o irrepresentável, para explorar uma busca da ‘realidade muda’. Ela teve o mérito de utilizar seus instrumentos com tal pertinência e profundidade que faces ainda obscuras da obra de Clarice puderam vir à luz”, afirma Yudith Rosenbaum no prefácio do livro.

Na virada para o século XX, com a formalização do inconsciente – de uma metodologia clínica e de um aparato teórico de acesso a ele – surge um fato incontornável: o sujeito dividido, pulsional, descentrado, raiz de uma nova forma de escrita. Nas palavras de Freud: "o Eu não é mais senhor em sua morada". A partir desse momento, há um constante diálogo entre a literatura e a teoria psicanalítica.

Além de ter como base a psicanálise, com clara inspiração em Jacques Lacan, que com Sigmund Freud compõe referência central do livro, a abordagem de Maria Lucia é construída no campo da teoria literária e da filosofia estética, atualizando os debates promovidos por Nietzsche, Benjamin, Adorno, Barthes, Foucault, Auerbach, Anatol Rosenfeld e Cortázar. Esse conjunto de referenciais teóricos desdobra-se em um estudo amplo sobre a noção de sujeito na obra de Clarice. O livro é calcado na análise dos três últimos romances da autora – Água viva, A hora da estrela e Um sopro de vida, todos escritos nos anos 1970 –, nos quais se revela de forma mais clara uma inquietação com os limites da escrita, a relação entre a língua e o mundo, a palavra e a impossibilidade de dizer. São obras em que o sujeito criador (o autor) se esconde na multiplicidade de vozes narrativas e na ausência de um fio condutor.

Inspirada na proposição lacaniana de que estamos fadados justamente a tentar falar sobre o que não se pode dizer, a autora escolheu abordar o tema do silêncio (o que se pode, afinal, escrever?) e da autoria (quem, de fato, escreve atrás do que escrevo?). Nos três romances, o impronunciável manifesta-se como peça fundamental na busca de "algo além do texto": o silêncio é a origem, causa da narrativa e, ao mesmo tempo, polo para o qual se dirige a palavra. É a falta impulsionando a escrita que procuraria, então, significar a inapreensível totalidade do vivido.

Já a questão da autoria, como segundo eixo determinante para o trabalho, é retomada em sua vertente problemática, desde os primórdios do romance dito moderno. O romance estruturalmente clássico – que buscava representar o universo subjetivo do herói individualizado – fica estremecido em suas bases sólidas e já estabelecidas. Abre espaço para uma maneira de compor em que personagem, narrador e autor se interceptam continuamente e na qual o silêncio aparece como ponto de fuga da narração, arrastando o próprio movimento da escritura. O pacto ficcional se altera, e o jogo entre silêncio e palavra se revela.

Trecho do livro

“No limiar do silêncio e da letra. Traços da autoria. O título já oferece a pista: o conflito constante na obra clariceana vivido por um autor entre o silêncio que circunda toda linguagem e a palavra que busca se enunciar. Como se estivéssemos cercados de água silenciosa por todos os lados e tivéssemos a ilha palavra a nos ancorar e propiciar algum fôlego para prosseguir a viagem. Vez ou outra, um continente, a ilusão de solidez contínua e definitiva, e, logo em seguida, a consciência de que ele também não passa de uma ilha. Ilha grande, mas também cercada por um mar de silêncio, inevitavelmente, a maior porção da superfície desse nosso mundo. E nessa dinâmica, a construção constante e infinita do lugar do autor, que se refaz a cada vez.”

Notícias (33)