Trabalho e dialética

Jesus Ranieri

Coleção Mundo do Trabalho

R$ 38,00

Em seu novo livro, Trabalho e dialética: Hegel, Marx e a teoria social do devir, o professor de sociologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Jesus Ranieri demonstra a atualidade e relevância das contribuições de G. W. F. Hegel, Karl Marx e György Lukács em uma análise que busca responder aos impasses teóricos, éticos e sociopolíticos abertos pela crise permanente da modernidade. Nesta obra, o autor aponta semelhanças profundas entre o conjunto de seu trabalho e a interpretação lukacsiana da obra de Hegel, para ele uma das mais originais e férteis, principalmente no que diz respeito à influência deste no pensamento de Marx.

“Lukács nos permite perceber uma unidade entre Hegel e Marx que não é possível encontrar de forma nítida nem nos próprios textos marxianos, assim como nos deixa igualmente visualizar a propensão materialista de Hegel”, afirma na introdução.

Oswaldo Giacoia Junior, prefaciador do livro, destaca três linhas de força que resumem o essencial da retomada de Hegel por Jesus Ranieri. Primeiro, o reconhecimento da importância da processualidade e do devir para a inteligência do real, na medida em que “mais decisivo que o ser é o processo pelo qual este se produz, em sua necessidade”. Segundo, a interpretação do débito de Marx com a teoria social de Hegel, que prepara as bases para uma concepção materialista dos processos históricos e vê no trabalho a condição pressuposta para todo desenvolvimento do ser. Por fim, o terceiro operador teórico diz respeito à função das contradições no pensamento de Hegel e Marx, e é explicado por Ranieri como a forma e a matéria do agir humano no mundo, o motor do movimento da realidade, no sentido de que todo avanço, sendo ou não sinônimo de progresso, contrapõe-se a forças que o contradizem e é responsável pela definição da identidade de qualquer objeto. “O texto de Jesus Ranieri combina, de maneira equilibrada, forma e conteúdo, método e resultado”, conclui Giacoia.

Após traduzir diretamente dos originais os Manuscritos econômico-filosóficos (Boitempo, 2004), de Karl Marx, e publicar o livro A câmara escura (Boitempo, 2001), no qual dissecou parte importante das categorias presentes em obras seminais do filósofo alemão, Ranieri dá continuidade a uma análise rigorosa dos conceitos de alienação [Entäusserung] e estranhamento [Entfremdung]. O autor explora com densidade o lugar dessas categorias na formação histórica do espírito, como elemento que cria e, ao mesmo tempo, confronta-se com uma realidade que se faz estranha a ele mesmo. “Este estudo ofereceu um avanço substantivo à distinção, tanto terminológica quanto categorial, dos termos”, afirma Ricardo Antunes, professor de sociologia da Unicamp, para quem o centro da reflexão do novo livro de Ranieri é o ato de trabalho como momento de reprodução social, indicado por Hegel, e inserido por Marx em uma totalidade dinâmica e desenvolvida, em que o ser social aparece tanto no início quanto no fim do processo.

Trecho do livro

“Não é possível compreender o lugar do trabalho na reprodução da vida humana sem considerar que ele representa, além dessa reprodução, o caráter abstrato (ou seja, conceitual) de incorporação de necessidades que aparecem para nós como elementos constituintes de nossa existência, em um complexo que avança para além da mera elaboração de produtos. Nesse sentido é que o trabalho é propriamente o ‘princípio do novo’, algo vinculado à ‘categoria de gênese do social’ – a história do homem e o comportamento humano só podem ser compreendidos por meio de uma teoria das necessidades, uma vez que a gênese de nossa estrutura mental (formada a partir do trabalho) nos leva ao constante embate com toda e qualquer ‘estaticidade’.”