Cânone gráfico I

clássicos da literatura universal em quadrinhos

Russ Kick(org.)

Coleção Barricada

R$ 118,00

A fantástica antologia Cânone gráfico reúne talentosos quadrinistas e lendários artistas gráficos com o melhor da literatura de todos os tempos. Com o intuito de adaptar obras da literatura mundial para HQs, o primeiro volume da trilogia chega ao Brasil pelo selo Barricada, trazendo releituras de clássicos como A divina comédia, de Dante Alighieri; Sonhos de uma noite de verão, de William Shakespeare; e As viagens de Gulliver, de Jonathan Swift.

Organizada pelo escritor Russ Kick e lançada originalmente nos Estados Unidos em 2012, a obra se consagrou como uma bíblia para aqueles que se interessam por quadrinhos.

"A ideia parecia óbvia, mas ninguém a tivera ainda: criar um livro da espessura de um tijolo que abrangesse séculos, países, línguas e gêneros. E incluísse romances, contos, poemas, peças, autobiografias, discursos e cartas, além de obras científicas, filosóficas e religiosas", resume Kick na apresentação. Ao longo de 448 páginas e 51 romances gráficos, o primeiro livro da série nos leva a uma viagem visual que começa com as primeiras experiências literárias da humanidade e se estende até o final do século XVIII. As adaptações foram produzidas de maneira independente e cada uma conta com o estilo próprio de seu autor, entre os quais figuram alguns dos mais reconhecidos artistas gráficos da atualidade, como Will Eisner, Robert Crumb, Molly Crabapple, Seymour Chwast e Peter Kuper.

O primeiro volume da antologia reúne clássicos de todas as partes do mundo, começando por grandes épicos, como A epopéia de Gilgamesh, das tábuas babilônicas, a Ilíada e As mil e uma noites, passando pelas tragédias de Eurípides e Aristófanes. O livro faz uma abordagem ampla da literatura religiosa, desde o Novo e o Velho Testamento até a poesia sufista de Rumi, o Mahabharata hindu e o Popol Vuh, livro sagrado dos maias, assim como histórias da Ásia, da China e do Tibete. Além de ensaios ilustrados de Benjamin Franklin e Platão, o volume conta com a rara adaptação feita por Robert Crumb de Diário londrino, de James Boswell.

Junto de cada adaptação há uma breve explicação da obra original, facilitando o entendimento para quem não está familiarizado com ela, o que se mostra uma ótima forma de introduzir fãs de quadrinhos a diferentes obras e estilos literários. "Cada peça vale por si, mas juntas formam um vasto caleidoscópio de arte e literatura. Um arco-íris de abordagens visuais foi aplicado ao tesouro dos grandes escritos do mundo, e algo maravilhosamente novo ganhou forma. Esse é o ponto principal do Cânone gráfico. Ele pode ser encarado como uma ferramenta educativa, e espero que seja usado dessa maneira. Pode-se dizer que ele levará as pessoas a ler as obras originais da literatura; isso me deixará muito feliz. Mas, no fundo, esta antologia titânica em três volumes é uma obra artística e literária independente, um fim em si", conclui o idealizador do projeto.

*   *   *   *   *

“Adaptações literárias para os quadrinhos costumam sofrer da preocupação demasiada em ater-se à literatura que lhes serve de fonte. Cânone gráfico vai pela rota mais sensata: as histórias que reúne são primeiro quadrinhos – e ótimos quadrinhos –, depois adaptações. Independente da fidelidade ou infidelidade a cada palavrinha do original, elas respeitam o que perdura entre nós há séculos: boas histórias.”
– Érico Assis

“Como boa parte das grandes ideias, a do editor americano Russ Kick era simples (e trabalhosa): convidar algumas dezenas dos maiores artistas gráficos contemporâneos para interpretarem, só com ilustrações, cenas de clássicos da literatura universal. Funcionou.”
– Cassiano Elek Machado

“Essas obras da literatura não residem apenas nas prateleiras da academia; florescem nas asas da nossa imaginação.”
– Annie Weatherwax, New York Times

Notícias (34)