• Minhas compras
  • Entrar

Mudamos nossa loja virtual para melhor atendê-lo. Se você já é cliente, utilize a funcionalidade de "Esqueci minha senha" para atualizar seu acesso e fazer o login.

Minhas Compras

Não há produtos no carrinho.

  • Edyr Augusto Proença
    Edyr Augusto Proença autor

    Edyr Augusto é um escritor e jornalista paraense, vencedor do prêmio Caméléon. Nascido em Belém, em 1954, inicia sua carreira como dramaturgo no final dos anos 1970. Escritor e diretor de teatro, Edyr trabalhou como radialista, redator publicitário, autor de jingles além de produzir poesia e crônicas. Filho do escritor e radialista Edyr de Paiva Proença, sua estreia como romancista se dá em 1998, com a publicação de Os éguas. Quadro desolador da metrópole amazonense, o 'thriller regionalista' mergulha no ritmo frenético da decadência e da violência urbana. Muito apegado à sua região do Pará, Edyr Augusto ancora lá todas as suas narrativas. Em 2001 lança Moscow, seu segundo romance, seguido de Casa de caba, em 2004. Seu mais recente romance é Selva Concreta (2012). Os thrillers escritos por Edyr Augusto são conhecidos por representarem o que há de mais interessante na literatura contemporânea paraense, mas com temas identificáveis em qualquer cenário urbano. Sua linguagem é coloquial, típica da região, compondo um retrato perfeito da oralidade local. A temática urbana, com uma trama de suspense que se desenrola por bares, botecos, restaurantes, delegacias, clubes e motéis, ecoa a tradição policialesca noir. É nesse encontro que se configura o estilo singluar da obra de Edyr Augusto. Edyr Augusto recebendo, em 2015, o prêmio Camaléon de melhor romance estrangeiro por Os éguas, na Université Jean Moulin. Em 2013, com a publicação de Os éguas em francês (sob o título Belém), a obra de Edyr ganhou grande destaque na cena literária parisiense. Amplamente aplaudido pela crítica, o romance recebeu, em 2015, o prêmio Camaléon de melhor romance estrangeiro, na Université Jean Moulin. Concorreram com ele Milton Hatoum (Orphelins de l’Eldorado), Adriana Lisboa (Bleu corbeau) e Frei Betto (Hôtel Brasil). No mesmo ano, Edyr participou do festival Quais du Polar, em Lyon. O evento é mundialmente conhecido por celebrar o gênero noir na literatura e no cinema e recebeu neste ano cerca de 65 mil visitantes e nomes consagrados como Michael Connelly e Harlan Coben. Em 2014, o escritor também participou como convidado e palestrante do festival Étonnants Voyageurs em Saint-Malo, e em 2015, foi convidado a participar do Salão do Livro de Paris. Desde então, seus romances vêm sendo traduzidos para o francês. Em 2014, foi a vez de Moscow (2014) e em 2015, Casa de caba (publicado com o título Nid de vipères). O estilo marcante, a escrita alucinante e implacável de Edyr já havia chamado a atenção de editoras internacionais, a começar pelo romance Casa de Caba, publicado na Inglaterra com o título Hornets’nest pela Aflame Books, em 2007. O paraense também teve alguns contos traduzidos no Peru, pela editora PetroPeru, e também no México, pela editora Vera Cruz. E dois de seus livros estão sendo adaptados para o cinema. Edyr já pensa no próximo romance cujo pano de fundo é a ação dos “ratos d’água”, os piratas da Amazônia, e o tráfico de mulheres. Vídeo | Marcelino Freire bateu um papo com o escritor paraense Edyr Augusto, no programa Reverbera do Quebras. Edyr conversou sobre sua trajetória e seu processo como romancista, sobre a recepção de sua obra no exterior e seus projetos futuros:  

triangulo
  • R$ 29,00

    "Moscow não é escrito por idealistas que procuram explicar a origem da violência urbana. É narrado por um animal feroz, brutalizado pela inorância, que procura, com as duas dúzias de palavras de seu vocabulário, contar o que se passa, sem entender tanta crueldade." – MARCELO RUBENS PAIVA Moscow, romance de Edyr Augusto, conta uma história de suspense narrada com uma oralidade singular – a linguagem falada em Belém do Pará. Por seu formato, trata-se de um livro para ser lido de um fôlego só. Sua narrativa em primeira pessoa é um verdadeiro tratamento de choque. O estilo asfixiante de Edyr Augusto aproxima o texto da realidade. A obra é como um punho que ating ...

    Ano de publicação 2001.

  • Geração 90: os transgressores os melhores contistas brasileiros surgidos no final do século XX
    R$ 47,00

    "Esta é uma antologia de prosadores ? dos melhores contistas e romancistas surgidos na década de 90 ? e não de contos, que são todos inéditos e foram escritos exclusivamente para este projeto pelos dezesseis escritores convidados. A essa altura do campeonato você deve estar se perguntando: `Os transgressores? Que diabos de subtítulo é esse? Que significa ser um transgressor hoje em dia?` A resposta a essas questões é toda a justificativa desta antologia, cujo propósito é o de dar continuidade à primeira, organizada por mim e lançada pela Boitempo ? Geração 90: manuscritos de computador ?, e se possível enriquecê-la. Este livro é o melhor tribu ...

    Ano de publicação 2003.

  • R$ 32,00

    Casa de caba é um romance surpreendente. Uma história que mistura vingança, estrelas americanas de rock na floresta amazônica e escândalos políticos com linguagem, forma e ritmo que agarram o leitor. Uma história de ação contada nas diversas vozes e pontos de vista dos seus personagens. Isabela Pastri acompanhou a escalada ao poder de Wlamir Turvel desde o dia em que ele agrediu e tornou seu pai inválido, além de tomar sua serraria, em Castanhal, interior do estado. Agora ele é governador do Pará e um dos elos mais importantes do tráfico de drogas na Amazônia. Ela tornou-se sua amante, está grávida e conhece seus segredos. Fred Pastri, seu irmão, migrou ...

    Ano de publicação 2004.

  • R$ 37,00

    Em Um sol para cada um, seu novo livro de contos, o escritor paraense Edyr Augusto Proença retoma a linha literária que o caracteriza e usa a realidade nua e crua da cidade de Belém como matéria-prima de suas histórias, transportando o leitor para os cantos mais sombrios e escondidos da metrópole. Os personagens dos 36 textos são escancaradamente verdadeiros e, por isso mesmo, perturbadores. Suas ações e contradições são descritas de maneira direta por Edyr, observador acurado e estilista talentoso. Ficção realista que se recusa a cair em dogmatismos, em Um sol para cada um não há espaço para meias palavras ou tons pastéis. Por suas páginas de ...

    Ano de publicação 2008.

  • R$ 32,00

    Os Éguas, de Edyr Augusto, é um romance policial diferente. Trata-se de um thriller regionalista que conta uma história de sexo, drogas, corrupção policial e morte. Em seu centro, um delegado alcoólatra "de mediana inteligência e vastos sofrimentos". O cenário é Belém do Pará, surpreendentemente violenta e decadente, retratada sem qualquer condescendência. Os Éguas é um romance que não deixa nada da cidade de fora, indo da grã-finagem à patuleia, mostrando bares, botecos, restaurantes, delegacias, clubes e motéis. Sua linguagem é coloquial, típica da região, compondo um retrato perfeito da oralidade local. O título da ...

    Ano de publicação 1998.

  • R$ 38,00

    Selva concreta é a nova ficção do jornalista, radialista, dramaturgo e escritor paraense Edyr Augusto Proença. Ambientado em Belém, o romance traz incômodas semelhanças com a experiência urbana de qualquer cidade na periferia do capitalismo. Explorando as patologias e os vícios do submundo próprios às metrópoles brasileiras, marcadas pela má distribuição de renda e pelo abuso de poder, Edyr compõe um retrato inusitado e desconfortante do Brasil contemporâneo. O fluxo intenso da narrativa submerge as múltiplas fisionomias da obra na cadência fragmentada da cidade: o policial corrupto, o playboy, o apresentador de TV picareta, o radialista ávido ...

    Ano de publicação 2012.

  • R$ 32,00

    Após grande sucesso na França – onde teve três livros traduzidos –, o paraense Edyr Augusto lança um novo romance noir de tirar o fôlego. Em Pssica, que na gíria regional quer dizer “azar”, "maldição", a narrativa se desdobra em torno do tráfico de mulheres. Uma adolescente é raptada no centro de Belém do Pará e vendida como escrava branca para casas de show e prostituição em Caiena. Um imigrante angolano vai parar em Curralinho, no Marajó, onde monta uma pequena mercearia, que é atacada por ratos d'água (ladrões que roubam mercadorias das embarcações, os piratas da Amazônia) e, em seguida, ent ...

    Ano de publicação 2015.