• Anderson Deo
    Anderson Deo autor

    Anderson Deo é professor de ciência política da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Marília (SP). Coordenador do Núcleo de Estudos de Ontologia Marxiana (Neom) e pesquisador dos grupos de pesquisa Cultura e Política do Mundo do Trabalho e Pensamento Político Brasileiro e Latino-Americano.

triangulo
  • R$ 89,00

    Cinquenta anos depois do golpe que instaurou a ditadura militar no Brasil - e em meio aos 25 anos de transição democrática em nosso país -, a Boitempo publica Ditadura: o que resta da transição. Organizada pelo cientista político Milton Pinheiro, a coletânea enfrenta o desafio de reinterpretar uma história em que vários aspectos estão ainda por decifrar, desde o contexto por trás do golpe até a campanha pelas Diretas Já.Com ensaios inéditos de pensadores como João Quartim de Moraes, Anita Prestes, Lincoln Secco, Décio Saes, Marco Aurélio Santana, entre outros, o livro traça um rico panorama das continuidades e rupturas na história contempor&ac ...

    Ano de publicação 2014.

  • Os portões do Éden Igualitarismo, política e Estado nas origens do pensamento moderno
    R$ 75,00

    Na sequência de seu livro O voo de minerva: a construção da política, do igualitarismo e da democracia no Ocidente Antigo, Antonio Carlos Mazzeo traz aos leitores uma profunda sondagem teórico-histórica das questões mais importantes levantadas pela sociedade contemporânea acerca da democracia, do igualitarismo e do poder. Em Os portões do Éden: igualitarismo, política e Estado nas origens do pensamento moderno, o autor radica sua pesquisa histórico-filosófica nas origens helenísticas do igualitarismo e das formas políticas de resolução das necessidades organizativas das sociedades.O corte filosófico encetado pela passagem da questão do 'que fazer? ...

    Ano de publicação 2019.

  • Essenciais são os livros não escritos últimas entrevistas (1966-1971)
    R$ 79,00

    Conjunto inédito de entrevistas concedidas pelo filósofo húngaro em seus últimos anos de vida, de 1966 a 1971, a nova obra da coleção Biblioteca Lukács oferece ao leitor temas que vão desde questões relativas a ontologia, estética, política e cultura – passando pela autocrítica de sua produção intelectual – até uma defesa da necessidade da retomada do pensamento marxiano para além das experiências socialistas do século XX. Segundo Lukács, não há como separar o campo da teoria da atividade política. Os movimentos sociais são, para ele, “sempre úteis ao trabalho” intelectual. Nesse sentido, fic ...

    Ano de publicação 2020.