• Minhas compras
  • Entrar

Mudamos nossa loja virtual para melhor atendê-lo. Se você já é cliente, utilize a funcionalidade de "Esqueci minha senha" para atualizar seu acesso e fazer o login.

Minhas Compras

Não há produtos no carrinho.

A estrela da manhã

Marxismo e Surrealismo

Michael Löwy

R$ 43,00 Comprar

A estrela da manhã
  • autor: Michael Löwy
  • tradutora: Eliana Aguiar
  • apresentação: Leandro Konder
  • orelha: Alex Januário
  • apêndice: Sergio Lima
título original:
L'étoile du matin : surrealism et marxisme
coleção:
Marxismo e Literatura
selo:
BOITEMPO EDITORIAL
idioma:
Português
páginas:
160
formato:
23cm x 16cm x 1cm
peso:
270 gr
ano de publicação:
2018
encadernação:
Brochura

Em A estrela da manhã, Michael Löwy aborda a filosofia política do surrealismo e sua ligação com o marxismo. A adesão dos surrealistas ao materialismo histórico, sobretudo a partir da obra de André Breton, marcou profundamente a história e o posicionamento político do movimento, que, desde seu nascimento, é caracterizado por forte sensibilidade libertária.

Para Löwy, no terreno propriamente político, o surrealismo conseguiu, por meio de uma operação alquímica, fundir a revolta e a revolução, o comunismo e a liberdade, a utopia e a dialética, a ação e o sonho. Se pensadores como Pierre Naville, José Carlos Mariategui, Walter Benjamin e Guy Debord, debatidos no livro, ficaram fascinados pelo movimento, é porque compreenderam que ele á a mais alta expressão do romantismo revolucionário do século XX. O surrealismo não é uma escola literária ou um grupo de artistas; é um movimento de revolta do espírito e uma tentativa eminentemente subversiva de reencantamento do mundo, isto é, de restabelecer no coração da vida humana os momentos “encantados” apagados pela civilização burguesa.

Publicado originalmente em francês em 2000, A estrela da manhã teve uma primeira edição brasileira esgotada. Nesta lançada agora, pela Boitempo, o leitor encontrará, além da tradução revisada e atualizada dois oito ensaios originais, um novo prefácio e mais um artigo, de 2011, sobre os vínculos do movimento surrealista francês com o marxismo e das vanguardas artísticas e estéticas com os movimentos revolucionários de esquerda.O apêndice, “Notas acerca do movimento surrealista no Brasil”, do artista e pensador surrealista Sergio Lima, texto essencial para quem quer acompanhar as manifestações desse movimento no país até hoje, também foi revisado e atualizado. O livro traz ainda diversas ilustrações e um glossário.