• Minhas compras
  • Entrar

Mudamos nossa loja virtual para melhor atendê-lo. Se você já é cliente, utilize a funcionalidade de "Esqueci minha senha" para atualizar seu acesso e fazer o login.

Minhas Compras

Não há produtos no carrinho.

Baudelaire

Théophile Gautier

R$ 39,00 Comprar

Baudelaire
  • autor: Théophile Gautier
  • tradutor: Mário Laranjeira
  • prefácio: Gloria Amaral
edição:
coleção:
Clássicos
selo:
Boitempo Editorial
idioma:
Português
páginas:
144
formato:
21cm x 14cm x 1cm
peso:
100 gr
ano de publicação:
2001
encadernação:
Brochura
ISBN:
9788585934774

Baudelaire, de Théophile Gautier, foi publicado originalmente como prefácio à primeira edição das Obras completas de Charles Baudelaire, da editora parisiense Calmann-Levy, em 1868. Além deste belo texto, até então inédito no Brasil, a edição da Boitempo reúne os artigos e cartas que aparecem como apêndice na publicação da editora francesa.

Entre os textos, estão cartas de Sainte-Beuve, do marquês de Custine e de Émile Deschamps que fazem referência ao processo sofrido por Baudelaire após a publicação de Flores do Mal, dando ao leitor um panorama da recepção de seus contemporâneos à obra. Esses artigos foram escritos por iniciativa dos respectivos autores; ao incluí-los na edição, Baudelaire buscava aval para o seu livro. Foi acrescentada também a carta que Victor Hugo escreveu em 1859, por solicitação de Baudelaire, para servir de prefácio ao seu texto sobre Théophile Gautier.

Em seu texto, Gautier analisa também o Baudelaire crítico de arte e tradutor de Edgar Allan Poe. Mais do que uma crítica, trata-se de um depoimento pessoal, em tom apaixonado, devido à morte de Baudelaire e os ataques a Flores do Mal. O autor seleciona os poemas que considera mais notável, detendo-se profundamente em quatro: “Don Juan aux enfers”, “La vie antériure”, “Les Petites vieilles” e “Revê parisien”.

A edição revela um testemunho de rara beleza, que representa as características de uma época marcante da literatura francesa. Um texto que combina a fina observação psicológica e o rigor do crítico com qualidade poética.