• Minhas compras
  • Entrar

Mudamos nossa loja virtual para melhor atendê-lo. Se você já é cliente, utilize a funcionalidade de "Esqueci minha senha" para atualizar seu acesso e fazer o login.

Minhas Compras

Não há produtos no carrinho.

Contextos da justiça

Filosofia política para além de liberalismo e comunitarismo

Rainer Forst

R$ 79,00 Comprar

Contextos da justiça
  • tradutor: Denílson Luis Werle
  • autor: Rainer Forst
selo:
BOITEMPO EDITORIAL
páginas:
382
formato:
23cm x 16cm x 2cm
peso:
500 gr
ano de publicação:
2010
ISBN:
8575591487

Nesta obra, o filósofo e teórico político alemão apresenta uma análise crítica da controvérsia entre liberalismo e comunitarismo, formulando uma contribuição original para clarificar conceitos fundamentais de uma certa teoria da justiça.

Discípulo de Jürgen Habermas, Rainer Forst realiza ricas reflexões sobre o conceito de “justiça”. Em geral simbolizado de modo imparcial, este conceito é revisto sob o pano de fundo das contextualizações históricas, buscando evidenciar o que há de específico naquilo que é considerado justo em cada época ou cultura. Nas palavras do próprio autor “a diferenciação dos ‘contextos da justiça’ deve ajudar a esclarecer as condições normativas segundo as quais a estrutura básica de uma sociedade pode ser considerada justa”.

Publicado pela primeira vez na Alemanha, em 1994, Contextos da justiça discorre sobre autores comunitaristas – como Michael J. Sandel, Alasdair MacIntyre, Charles Taylor e Michael Walzer – e liberais – como John Rawls, Ronald Dworkin e Joseph Raz. Surge daí uma abordagem original e sintética dessas duas perspectivas filosóficas, conduzida com destreza por Forst.

Dividida em cinco capítulos, a obra se desenvolve sobre quatro categorias: a constituição do eu, a neutralidade do direito, o ethos da democracia e a concepção da teoria moral universalista. O quinto capítulo é dedicado à teoria de “contextos da justiça” propriamente dita. Forst entende que, apenas a partir da consideração desses quatro conceitos, pode-se criar uma teoria do direito suficientemente ampla.

Em meio a essas questões, o autor também discorre sobre termas candentes como a democracia discursiva e a crítica feminista do liberalismo, o multiculturalismo e a sociedade civil. Trata-se de uma obra provocativa, de grande interesse para filósofos, para estudiosos da teoria política, das questões do liberalismo e do comunitarismos e todos aqueles que se importam com os debates em torno da justiça social e política.

Trecho da obra

Em que está fundamentada sua autoridade normativa, uma vez que a lei divina ou natural perdeu sua validade? A “justiça” não significa sempre alguma coisa diferente, dependendo do que em cada época e cultura se considera como justo? Imaginemos a Justitia numa sociedade religiosa e política caracterizada de modo completamente diferente: a justiça ainda apela a conceitos morais universalistas, comuns?

A venda nos olhos dá também motivo a questionamentos: que tipo de representação de imparcialidade é esta que, “sem fazer distinções entre as pessoas”, pretende ser “justa” para pessoas individuais? Uma razão que se afasta das experiências humanas concretas não corre o risco de se tornar ela mesma cega frente às necessidades diferentes dos seres humanos? Se nos voltarmos para o símbolo da balança, a pergunta será: como a razão pode encontrar uma medida uniforme para a complexidade de pretensões conflitantes? E o emprego da espada não pressupõe um juízo definitivo e infalível, fundado em normas válidas de modo absoluto, inacessível aos seres humanos?

Essas são algumas das questões discutidas neste livro. Elas se referem à possibilidade de um conceito de justiça política e social fundamentado moralmente, que evita tanto a objeção de cegueira frente ao contexto como também a objeção de um contextualismo que desconhece o núcleo universalista da reivindicação por justiça.

Sobre o autor Rainer Forst, nascido em 1964, é filósofo alemão identificado com a nova geração de estudiosos associados à teoria crítica (Escola de Frankfurt). Professor de Teoria Política no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Johann Wolfgang Goethe, em Frankfurt, fez seu doutorado sob a supervisão de Jürgen Habermas, em 1993, e suas principais áreas de investigação são a teoria política, o pragmatismo, a tolerância e a justiça social. Publicou, entre outros livros, Toleranz. Philosophische Grundlagen und gesellschaftliche Praxis einer umstrittenen Tugend (2000), Toleranz im Konflikt. Geschichte, Gehalt und Gegegenwart eines umstrittenen Begriffs (2003) e Das Recht auf Rechtfertigung. Elemente einer konstruktivistischen Theorie der Gerechtigkeit (2007).

autor