• Minhas compras
  • Entrar

Mudamos nossa loja virtual para melhor atendê-lo. Se você já é cliente, utilize a funcionalidade de "Esqueci minha senha" para atualizar seu acesso e fazer o login.

Minhas Compras

Não há produtos no carrinho.

Lutas de classes na Alemanha

Karl Marx

R$ 29,00 Comprar

Lutas de classes na Alemanha
  • autor: Karl Marx
    Friedrich Engels
  • tradutor: Nélio Schneider
  • prefácio: Michael Lowy
  • textos: Heinrich Heine
  • orelha: Ivo Tonet
edição:
coleção:
Marx & Engels
volume:
1
selo:
BOITEMPO EDITORIAL
idioma:
Português
páginas:
96
formato:
21cm x 14cm x 1cm
peso:
142 gr
ano de publicação:
2010
encadernação:
Brochura
ISBN:
9788575591499

Lutas de classes na Alemanha é o nono volume da coleção Marx e Engels, na qual a Boitempo vem publicando a obra dos dois pensadores em traduções inéditas, feitas diretamente do alemão. Com prefácio de Michael Löwy e tradução de Nélio Schneider, esse livro reúne pela primeira vez alguns dos principais textos redigidos por Marx e Engels sobre as lutas de classes na Alemanha – textos que visavam não só interpretar a realidade social e política mas também transformá-la, para retomar a famosa Tese XI sobre Feuerbach.

Os documentos incluídos nesse pequeno volume – “Glosas críticas ao artigo ‘O rei da Prússia e a reforma social. De um prussiano’”; “Reivindicações do Partido Comunista da Alemanha” e “Mensagem do Comitê Central à Liga [dos Comunistas]” – são bastante distintos, mas se caracterizam todos por uma formidável lucidez política. O fio condutor dos três é o mesmo: a luta de classes na Alemanha entre explorados e exploradores, oprimidos e opressores, a dialética entre revolução social e política.

O livro é composto de textos raramente publicados, selecionados com o auxílio do filósofo Michael Löwy e nunca antes reunidos em uma mesma edição. A exemplo da obra Lutas de classes na França: 1848 a 1850, no qual Marx reuniu escritos sobre os combates franceses, esse volume contempla análises suas e de Engels acerca da experiência alemã. São textos produzidos no calor da hora, conclamando os leitores de então a participar ativamente das transformações sociais em curso, e foram escritos por Marx e Engels na juventude, quando ambos contavam com 25 a 30 e poucos anos.

Como afirma na orelha, Ivo Tonet, professor do departamento de Filosofia da Universidade Federal de Alagoas, “as ideias fundamentais expressas nesses textos – a centralidade do proletariado como sujeito ativo e fundamental da revolução, a necessidade da articulação das lutas democráticas com a perspectiva de uma revolução socialista, a diferença radical entre revolução com alma política e revolução com alma social, a natureza essencial do Estado como expressão e condição de reprodução da desigualdade social, a impotência do Estado face aos problemas sociais e, portanto, a limitação intrínseca das políticas públicas, a limitação essencial da cientificidade burguesa (o intelecto político) por causa de seu viés particular e a superioridade da perspectiva do proletariado (intelecto social) por causa de seu viés de totalidade – continuam de uma atualidade inquestionável até os dias de hoje”.

Para enriquecer esta edição, foi incluído o poema “Os tecelões da Silésia”, escrito por Heinrich Heine em 1844 com base no levante ocorrido no mesmo ano, e que também inspirou Marx a publicar o primeiro dos artigos apresentados neste volume, como aponta Löwy em seu “Prefácio”.

Trecho do livro

“A existência do Estado e a existência da escravidão são inseparáveis. A fusão do Estado antigo com a escravidão antiga – antíteses clássicas declaradas – não era mais íntima do que a do Estado moderno com o moderno mundo da barganha – antíteses cristãs dissimuladas. Se quisesse eliminar a impotência de sua administração, o Estado moderno teria de eliminar a atual vida privada. Se ele quisesse eliminar a vida privada, teria de eliminar a si mesmo, porque ele existe tão-somente como antítese a ela. Porém, nenhum vivente julgará que as deficiências de sua existência estejam fundadas no princípio de sua vida, na essência de sua vida, mas sempre em circunstâncias exteriores à sua vida. O suicídio é antinatural. O Estado não pode, portanto, acreditar que a impotência seja inerente à sua administração, ou seja, a si mesmo. Ele pode tão-somente admitir deficiências formais e casuais na mesma e tentar corrigi-las. Se essas modificações não surtem efeito, a mazela social é uma imperfeição natural que independe do ser humano, uma lei divina, ou a vontade das pessoas particulares está corrompida demais para vir ao encontro dos bons propósitos da administração. E como são pervertidas essas pessoas particulares! Eles reclamam do governo toda vez que este limita sua liberdade, mas exigem do governo que este impeça as consequências necessárias dessa liberdade!”