• Minhas compras
  • Entrar

Marx nas margens

nacionalismo, etnias e sociedades não ocidentais

Kevin B. Anderson

R$ 69,00 R$ 55,20 Comprar

Este livro estará disponível a partir da data 15/10/2019
Marx nas margens
  • autor: Kevin B. Anderson
  • tradução: Allan M. Hillani
    Pedro Davoglio
  • apresentação: Guilherme Leite Gonçalves
  • orelha: Jones Manoel
  • escultura da capa: Sergio Romagnolo
edição:
selo:
BOITEMPO EDITORIAL
páginas:
416
formato:
23cm x 16cm x 2cm
peso:
420 gr
ano de publicação:
2019
encadernação:
Brochura
ISBN:
9788575597293

[ ESTE LIVRO ENCONTRA-SE EM PRÉ-VENDA E ESTARÁ DISPONÍVEL A PARTIR DO DIA 15/10] 

Em Marx nas margens: nacionalismo, etnias e sociedades não ocidentais, o sociólogo norte-americano Kevin B. Anderson promove uma reflexão instigante e precisa a respeito de questões que incomodam o campo marxista desde meados do século XX: o que pensava o autor de O capital sobre as relações entre classe, gênero e raça ou sobre a dominação colonial, por exemplo?

São aspectos aos quais um dos principais pesquisadores marxistas dos Estados Unidos dedica uma diligente investigação. Seu objeto não é o marxismo, mas Karl Marx. A partir da análise de artigos de jornal, cadernos etnológicos e de citações – com muitos textos ainda não publicados e pouco acessíveis –, livros canônicos e cartas, Marx nas margens demonstra que, no decorrer de sua trajetória intelectual, questões como o impacto europeu na Índia, na Indonésia e na China, as relações entre emancipação nacional e revolução (na Rússia e na Polônia), entre raça, classe e escravidão (nos Estados Unidos) e entre nacionalismo, classe e movimento dos trabalhadores (na Irlanda) tornaram-se alvo do interesse e de estudos aprofundados do pensador alemão.
 
O resultado, é a imagem de um Marx multilinear que, preocupado em entender a realidade concreta das sociedades não capitalistas, foi capaz de mudar sua perspectiva, superar o eurocentrismo e tornar-se sensível às questões nacional, étnica, racial e de gênero, assumindo um posicionamento claro contra o colonialismo, contra a escravidão e comprometido com a igualdade entre homens e mulheres.

No texto de apresentação, Guilherme Leite Gonçalves, professor de sociologia do direito da UERJ, é certeiro: “Anderson opera em uma situação de risco. Propõe questões que a vulgata marxista não quer ouvir e respostas que os movimentos ditos ‘identitários’ não gostam de ver. Em vez de abraçar projetos aceitos pelo mercado de cada uma dessas ideias, ele se dedica a uma investigação que examina quando a crítica da política da diferença faz sentido e quando a própria compreensão marxista nega seu momento ocidentalista”.