• Minhas compras
  • Entrar

Mudamos nossa loja virtual para melhor atendê-lo. Se você já é cliente, utilize a funcionalidade de "Esqueci minha senha" para atualizar seu acesso e fazer o login.

Minhas Compras

Não há produtos no carrinho.

Escritos ficcionais

Escorpião e Félix / Oulanem

Karl Marx

R$ 34,00 Comprar

Este livro estará disponível a partir da data 30/10/2018
Escritos ficcionais
  • autor: Karl Marx
  • tradutores: Claudio Cardinali
    Flavio Aguiar
    Tercio Redondo
  • orelha: Carlos Eduardo Ornelas Berriel
  • ilustrador: Gilberto Maringoni
título original:
Scorpion und Felix / Oulanem
coleção:
Marx & Engels
selo:
BOITEMPO EDITORIAL
idioma:
Português
páginas:
120
formato:
16cm x 1cm x 23cm
peso:
181 gr
ano de publicação:
2018
encadernação:
Brochura

ESTE LIVRO ENCONTRA-SE EM PRÉ-VENDA E ESTARÁ DISPONÍVEL A PARTIR DO DIA 30/10/2018.

 

Em 1837, com apenas dezenove anos, o jovem Karl Marx compôs uma peça de teatro, Oulanem, e um breve romance satírico, Escorpião e Félix, nos quais ridiculariza e condena as convenções burguesas, a aristocracia e o pedantismo intelectual.

Esses textos, escritos por um Karl antes do Marx que conhecemos, foram redescobertos em 1929 e, desde então, raramente publicados. Porém, é significativo que o grande filósofo tenha iniciado a sua vasta obra dessa forma, tão diversa do caminho que acabou trilhando.

Próximo lançamento da coleção Marx-Engels, Escritos ficcionais: Escorpião e Félix / Oulanem chega às livrarias brasileiras em edição ilustrada, com tradução direta dos originais e notas explicativas que auxiliam o leitor contemporâneo a captar as referências históricas e literárias que tanto enriqueceriam os textos posteriores do autor. Mesmo nesse começo de carreira, já é possível vislumbrar o grande escritor e ensaísta que Marx se tornaria.

“Esse é o Marx que, em torno dos dezenove, vinte anos, ensaiava suas primeiras criações literárias. Trata-se de um escritor inexperiente mas que define alguns traços que nunca o abandonarão. É um Marx romântico, por vezes irônico.” – Flávio Aguiar.

autor