• Minhas compras
  • Entrar

O socialismo jurídico

Friedrich Engels, Karl Kautsky

R$26,00 R$ 20,80 Livro indisponível

O socialismo jurídico
  • autor: Friedrich Engels
    Karl Kautsky
  • tradutor: Márcio Bilharinho Naves
edição:
1
coleção:
Marx & Engels
selo:
Boitempo
idioma:
Portuguese
páginas:
80
formato:
23cm x 14cm x 0cm
peso:
133 gr
ano de publicação:
2012
encadernação:
Brochura
ISBN:
9788575592106

'A classe trabalhadora não pode exprimir plenamente a própria condição de vida na ilusão jurídica da burguesia'

Planejado por Friedrich Engels e Karl Kautsky, o artigo 'O socialismo jurídico' foi publicado sem assinatura na revista da social-democracia alemã, Neue Zeit, em 1887. O objetivo era dar uma resposta aos ataques à teoria econômica de Karl Marx, assim como elaborar uma crítica ao reformismo jurídico e combater a sua influência no movimento operário.'À época da escrita deste livro, os reformistas, em combate às idéias revolucionárias de Marx, apontavam para uma transição controlada, objetivando ganhos por meio do aumento de direitos, sem transformar plenamente as contradições da exploração capitalista', afirma na orelha do livro o professor da Faculdade de Direito da USP, Alysson Leandro Mascaro, para quem O socialismo jurídico é uma das obras clássicas do marxismo sobre a relação entre o direito e o capitalismo.'Engels e Kautsky dedicam esta obra justamente a combater o socialismo dos juristas - ou o socialismo por meio do direito. O direito é, irremediavelmente, uma forma do capitalismo. Assim sendo, é a revolução - e não a reforma por meio de instituições jurídicas - a única opção realmente transformadora das condições das classes trabalhadoras', conclui Mascaro.O texto é também uma crítica ao livro O direito ao produto integral do trabalho historicamente exposto, do sociólogo e jurista burguês austríaco Anton Menger, publicado em 1886, e que vinha obtendo grande repercussão. Em tal obra, Menger tentou provar que a teoria econômica de Marx fora plagiada dos socialistas utópicos ingleses da escola ricardiana, especialmente William Thompson. Essas afirmações, bem como a falsificação da essência da teoria marxiana efetuada por Menger, não poderiam passar despercebidas a Engels, que decidiu interceder.Além do artigo que dá título ao livro, este volume agora publicado pela Boitempo - traduzido do alemão por Lívia Cotrim e Márcio Bilharinho Naves, filósofo do direito brasileiro e autor do livro Marxismo e direito: um estudo sobre Pachukanis (Boitempo) - traz ainda duas cartas de Engels a Laura Lafargue (filha de Marx) escritas em Londres, em 1886, que também tratam do tema.