• Minhas compras
  • Entrar

Mudamos nossa loja virtual para melhor atendê-lo. Se você já é cliente, utilize a funcionalidade de "Esqueci minha senha" para atualizar seu acesso e fazer o login.

Minhas Compras

Não há produtos no carrinho.

A crise completa

a economia política do não

Lauro Campos

R$ 54,00 Comprar

A crise completa
  • autor: Lauro Campos
  • orelha: Edmilson Costa
edição:
1a.
selo:
BOITEMPO EDITORIAL
idioma:
Português
páginas:
344
formato:
23cm x 16cm x 2cm
peso:
420 gr
ano de publicação:
2001
encadernação:
Brochura
ISBN:
9788585934736

'Como negar a negação, superar a negatividade, coltar a produção para o homem como parte da natureza?'

A crise econômica mundial, especialmente após o fracasso das políticas neoliberais em várias partes do mundo, está permitindo a busca de novas interpretações sobre o modo de produção capitalista, suas contradições e crises. Nesse sentido, o livro do professor Lauro Campos, A crise completa: a economia política do não, traz uma importante contribuição para quem quer discutir a fundo a natureza desse sistema e o sentido histórico de suas contradições.

O trabalho busca compreender as transformações dos fenômenos socioeconômicos do capitalismo. As relações polarizadas que constituem a infraestrutura da economia capitalista revelam as contradições que, por meio de auges e de depressões sucessivas, produzem a história econômica e a história do pensamento econômico capitalista. Sob o aparente desenvolvimento, se produz e desenvolve a crise. Ao lado do trabalho produtivo, que traz lucro e desenvolve as forças produtivas, cresce e se avoluma o trabalho não produtivo, se afirmam as não mercadorias, não valores de uso e não valores em que o trabalho não produtivo se materializa.

O crédito ao consumo, a dívida pública e a dívida interna revelam os limites em que esbarra sua dinâmica contraditória. Não ativam mais o processo econômico mas, ao contrário, se transformam em obstáculos: o desenvolvimento produz o não desenvolvimento. A crise completa: a economia política do não pretende tomar a crise capitalista como um fenômeno que se desenvolve e se completa. Em sua forma mais simples e elementar, as contradições se manifestam como tensão entre valor de uso e valor. Cada ato de investimento, de acumulação de capital é, concomitantemente, um ato em direção à negação do capital, à superação das relações capitalistas. A negatividade interna da acumulação só se torna visível nas crises, que revelam que essa negatividade é da essência da própria acumulação capitalista.

A visão parcial e positiva do capitalismo considera-o como um processo de acumulação de capital, de descobertas tecnológicas, de globalização das relações de produção capitalistas, de aumento da produtividade, de modernização incessante. O capitalismo é tudo isto e muito mais. Ao lado dos feitos e efeitos, do desenvolvimento sem precedentes das forças produtivas, o capitalismo desenvolveu um conteúdo negativo – o desemprego, a dívida publica, a divida externa, a divida de empresas e famílias, a divida social, a exclusão, a marginalização, a pobreza, a fome, a desnutrição, a destruição sistêmica.

autor

Outros títulos do autor